quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Gozaremos eternamente...

"O tempo foi suspenso, claro. Lá não envelhecemos nem morremos. Gozaremos eternamente nessa meia luz de crepúsculo que já estupra a noite, iluminados por uma lua que a nossa embriaguez triplicou" Vargas Llosa

Uma cascata de lembranças se apoderou de todo meu corpo após ler esta frase. Certas frases que lemos ou ouvimos nos transporta para um momento de um tempo passado que ainda está atado em nossas entranhas, o que faz deste tempo passado um pouco do presente, contrariando, ou não, os percursos das linhas do espaço-tempo. E é com todo meu corpo que me lembro de alguns destes retalhos do passado. Às vezes até uso estes retalhos para remendar algumas das feridas de minha alma.

Gosto de me lembrar dos gozos que desejei que fossem eternos e que se mostraram tão efêmeros. Depois, sempre vinha outro gozo que me despertava os mesmos desejos de eternidade. Esta sucessão de gozos e de desejo de suas eternidades me faz feliz. Cada um com sua idiossincrasia, o que faz de todos especiais. Das muitas possibilidades que houveram, que hão e que haverão. Que após o próximo, haverá outros...

3 comentários:

  1. bom pensado assim espero que sim.

    ResponderExcluir
  2. A verdade da vida é o efêmero?

    ResponderExcluir
  3. Não exatamente, mas nada de coisas eternas. Mesmo aquelas que desejamos que se estendam por longo tempo em nossas vidas, um dia acabam e dão lugar para outras possibilidades.

    ResponderExcluir